ACADEMIA

tok china e loja de motos

tok china e loja de motos

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Serra-talhadense vai representar o Brasil em mundial na Holanda


Orgulho de levar o nome de Serra Talhada para aonde for, nem que seja ao redor do mundo. É como faz Alexandre Brandão de Magalhães, 33 anos, que irá representar o Brasil no 2017 ITU World Triathlon Grand Final Rotterdam, nos dias 14 a 17 de setembro, na Holanda.

Em conversa com o blog, o triatleta de sucesso – que atualmente mora em Recife e começou no esporte há quatro anos – conta um pouco sobre sua vida, expectativas e sobre a chance de participar de um grande evento na modalidade fora do país.

“Consegui a classificação para o mundial. E agora estou na busca por patrocínio. Ainda sou considerado amador, pois não há um clube que me financie. Em quatro anos eu já participei de mais de 30 competições. Fiz a prova classificatória em João Pessoa e nos eventos sempre me visto com o macacão representado com a bandeira de Serra Talhada”, comenta o triatleta, com o peito estufado de orgulho do Sertão.

Alexandre é filho de Vicente Magalhães, da Adagro, e Wanea Brandão, da Caixa Econômica. Morou em Serra Talhada até os 18 anos e estudou no Colégio Imaculada Conceição. Ele detalha que começou a praticar o esporte para perder peso, tratar crises de ansiedade, estresse e ter melhor qualidade de vida. Mas desde que pegou gosto pelo triathlon não parou mais.


“Eu sempre gostei de fazer atividade física, na escola jogava futsal, handebol, corria e joguei na escolinha de futebol do professor Paulo Moura. Quando entrei na área de informática trabalhava muito, adquiri 17 kg a mais e comecei a ter problemas de pressão e ansiedade. Fui ao médico e ele me deu opção de tratar sem remédios. Comecei a nadar e depois conheci o pessoal do triathlon, Rosa Teixeira, e há quatro anos comecei a engatinhar no esporte”, relatou.

O triatleta e serra-talhadense de coração relata que o começo da carreira foi difícil, pois a rotina de adaptação à vida de desportista exigiu sacrifícios, que hoje são recompensados. Uma curiosidade é que Alexandre chega a sofrer preconceito pelo fato de treinar no Recife, especialmente, em Boa Viagem diante o risco permanente de tubarões.

“Mas existem áreas seguras para se nadar em Boa Viagem que os bombeiros nadam há 30 anos”, garante. Dividindo a paixão com o triathlon, Brandão trabalha no setor de tecnologia de uma empresa no Recife.

ROTINA 

No macacão que Alexandre costuma usar nas provas é possível ver além das bandeiras de Serra Talhada e Pernambuco, símbolos bastante comuns ao imaginário do Sertão como a estrela de Davi, que para alguns significa proteção. A imagem foi muito usada pelos cangaceiros que bordavam seus chapéus com estrelas simbolizando sorte e força nas batalhas, que no seu caso começa às 4h da manhã.

“É preciso acordar cedo para treinar e dormir cedo, por volta das 21h”, conta Brandão, revelando que depois que virou triatleta sua qualidade de vida deu um grande salto como a sua carreira. Ele segue a rotina estimulado por um grupo de amigos esportistas que o incentiva.

“O grupo é que faz a pessoa crescer, treino forte com o TriAmigos Pernambuco, que também faz ações sociais e aí em Serra Talhada nós temos o grupo Cangaço Bike. Serra foi o lugar que cresci, passei minha infância e tenho admiração total. Onde vou levo toda uma bagagem que eu tenho de Serra sem vergonha de levantar a bandeira do sertão”, finalizou.